Uma criança pode ser psicopata?




“Não é fácil a sociedade aceitar a maldade infantil, mas ela existe … essas crianças (psicopatas) não têm empatia, isto é, não se importam com os sentimentos dos outros e não apresentam sofrimento psíquico pelo que fazem. Manipulam, mentem e podem até matar sem culpa.”


A fala acima, do psiquiatra Fábio Barbirato, chefe da Psiquiatria Infantil da Santa Casa, no Rio de Janeiro, pode parecer assustadora e realmente é. Ela toca em um assunto delicadíssimo: A psicopatia infantil. A maioria das pessoas não sabem, mas existem sim crianças psicopatas. Elas não respeitam os pais, chantageam, roubam, mentem, manipulam, maltratam irmãos e amiguinhos, torturam animais e até, MATAM! Isso mesmo. Elas podem matar. E se você duvida de mim, deixe-me então lhe contar uma historinha.

Em 12 de fevereiro de 1993, Denise Bulger entrou com seu filho, James Bulger, de apenas 3 aninhos de idade, no Strand Shopping Center, na cidade de Liverpool, Inglaterra. Denise não sabia, mas ela nunca mais veria o seu filho vivo.

Ela entrou em um açougue dentro do shopping e 5 segundos de descuido foram o suficiente para James Bulger simplesmente desaparecer. Denise entrou em desespero e logo todos os guardas do Shopping estavam a procura do pequenino James. Mas a busca foi em vão.

James Patrick Bulger. O pequenino James desapareceu misteriosamente no dia 12 de Fevereiro de 1993 em um Shopping na cidade de Liverpool.

Dois dias depois do desaparecimento de James, o horror: Seu corpo foi encontrado partido ao meio em uma ferrovia a 4 km de distância do shopping.

O crime chocou a Inglaterra. Não pelo assassinato em si, mas pela forma horrenda com a qual o pequeno James foi morto. O médico patologista Dr. Alan Williams, que trabalhou no caso, disse que James sofreu 10 fraturas no crânio decorrentes de golpes desferidos com uma barra de ferro, arma a qual foi encontrada no local do crime. No total, havia 42 ferimentos no corpo de James, e segundo o patologista, nenhum poderia ser excluído como golpe fatal.

Mas não era só isso. James foi torturado e abusado sexualmente. Havia tinta nos seus olhos e pilhas em sua boca. Ele estava sem roupas e a polícia suspeitava que o agressor ou agressores introduziram as pilhas em seu ânus. Depois da tortura e do abuso sexual, o pequeno James foi espancado até a morte com a barra de ferro e tijolos. Seu pequenino corpo foi colocado em cima da linha do trem e coberto com pedaços de madeira. Quando o corpo foi encontrado estava partido ao meio. O patologista chegou a conclusão que James já estava morto quando seu corpo foi dilacerado por um Trem.

Quase 1 mês depois, em 01 de Março de 1993, o pequeno James Bulger é enterrado em Liverpool. Centenas de pessoas compareceram ao seu funeral. 


Começava a caçada pelo maníaco assassino de James Bulger. O desfecho do caso deixaria não só a Inglaterra, mas o mundo inteiro estarrecidos.

O caso começou a ficar estranho para os investigadores quando 38 testemunhas disseram terem visto uma criança chorando em companhia de duas outras crianças maiores indo em direção ao local onde James foi encontrado. Para essas 38 testemunhas não havia dúvidas: Era o pequeno James. Essa criança que estava chorando possuia as mesmas características de James e estava vestindo as mesmas roupas com as quais ele foi dado como desaparecido. Algumas testemunhas chegaram a discutir com as outras 2 crianças perguntando o que havia com o menorzinho e elas responderam que ele era o irmão mais novo e que o estavam levando para casa.

Não passava pela cabeça de ninguém que uma ou duas crianças poderiam ter assassinado James, mas as tais duas crianças que foram vistas com ele, para a polícia, eram a chave para elucidar o mistério.

O caso James Bulger ficou mais horripilante ainda quando os investigadores examinaram o circuito interno de TV do shopping. Ao examinar as imagens, os investigadores se depararam com algo absolutamente bizarro.

Camêra de segurança do Shopping flagra 2 crianças em atitudes suspeitas.
Analisando os vídeos, os investigadores perceberam 2 crianças em atitudes muito estranhas. Elas pareciam observar outras crianças dentro do shopping, como um lobo que fareja a ovelha. Isso deixou os investigadores boquiabertos pois, aparentemente, eles estavam vendo os passos de 2 supostos assassinos, mas não eram adultos, e sim crianças. As duas crianças ficaram várias horas observando outras crianças até que …

Imagem original do Circuito Interno de TV do Shopping Stradin mostra o pequeno James sendo levado por 2 crianças. 
Analisando os vídeos do Circuito Interno de TV do shopping, os investigadores puderam ver o momento em que James é levado para fora do Shopping pelas 2 crianças que a horas observavam outras crianças. Na imagem acima é possível ver que uma delas conduz o pequeno James enquanto a outra caminha mais à frente.

O crime gerou grande comoção e raiva na Inglaterra. Tanto que a família de uma criança, que foi considerada suspeita, teve que mudar de Liverpool depois que a polícia convocou o menino para depor. A pista final veio de uma mulher que viu as imagens do Circuito Interno de TV do Shopping, que passavam insistentemente nas emissoras de TV inglesas, e reconheceu as duas crianças.

 
Não se engane com o rostinho de Anjo. Jon Venables, 10 anos de idade, sendo fichado pela polícia inglesa em 20 de Fevereiro de 1993 pelo assassinato de James Bulger


 
O outro “anjinho” era Robert Thompson, 10 anos

Os dois meninos, então com 11 anos, foram considerados culpados de assassinar Bulger em Preston Crown Court, em 24 de Novembro de 1993, os mais jovens condenados por assassinato na história criminal Inglesa. O juiz condenou-os a serem detidos no Her Majesty's Pleasure, com uma recomendação de que eles deveriam ser mantidos sob custódia por "muito, muitos anos a fio", recomendando um prazo mínimo de 8 anos. Pouco depois do julgamento, o Lord Taylor de Gosforth, e o Senhor Chefe de Justiça, ordenou que os dois meninos deveriam servir um mínimo de dez anos, que teria tornado-los elegíveis para condicional em Fevereiro de 2003 com a idade de vinte anos.

A imprensa popular sentiu que a pena foi muito branda, e os editores do jornal The Sun entregaram uma petição com 300.000 assinaturas para o secretário Michael Howard, em uma tentativa de aumentar o tempo gasto por ambos os meninos sob custódia.

Esta campanha foi bem sucedida e, em 1995 Howard anunciou que os rapazes seriam mantidos em prisão preventiva por um período mínimo de quinze anos, o que significa que eles não seriam elegiveis para a liberação até Fevereiro de 2008, época em que eles teriam vinte e cinco anos de idade.

Em 1997, o Tribunal de Apelação decidiu que a decisão de Howard para definir uma pauta de quinze anos foi ilegal, e do Ministro do Interior perdeu seu poder de fixar prazos mínimos para a vida de prisioneiros sob pena de dezoito anos de idade. O Supremo Tribunal e do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, desde então, decidiu que, embora o Parlamento poderá fixar prazos mínimos e máximos para cada categoria de crime, é da responsabilidade do juiz, com o benefício de todas as provas e argumentos de ambos os acusação e o advogado de defesa, para determinar a duração mínima em cada um dos casos criminais.

Thompson e Venables foram libertados em condicional em Junho de 2001, depois de cumprir oito anos, quando uma audiência de condicional concluiu que a segurança pública não estaria ameaçada por sua reabilitação. Uma liminar foi imposta após o julgamento, impedindo a publicação de detalhes sobre os meninos, por medo de represálias. A liminar esteve em vigor após a sua libertação, assim que suas novas identidades e localização não poderiam ser publicadas, embora esta decisão só se aplica ao Reino Unido.

Em janeiro de 2001, os assassinos ganharam na justiça o direito de uma nova identidade, garantindo assim anonimato para o resto de suas vidas. Cinco meses depois, após completarem 18 anos, Jon Venables e Robert Thompson foram soltos após passarem 8 anos presos. Os pais de James Bulger já haviam se separado devido a perda do filho, Ralph Bulger, pai de James, virou alcóolatra e quase morreu de cirrose. Em novembro de 2004, a mídia inglesa noticiou que a mãe de James, Denise Bulger, seguiu Robert Thompson mas que ficou “paralisada de ódio” ao vê-lo e assim não pode confrontá-lo.

O paradeiro de Robert Thompson continua desconhecido, mas o de Jon Venables não. Em 2008 ele foi preso por posse de cocaína e briga de rua. Dois anos depois ele voltaria para a cadeia e dessa vez por um motivo mais grave. Em 2010, Policiais que investigavam uma quadrilha que trocavam arquivos de pornografia infantil pela internet, encontraram 57 fotos “indecentes” de crianças em seu notebook, algumas delas tinham apenas 2 anos de idade. A investigação concluiu que Jon Venables se passava por uma mulher com interesse em vender sua pequena filha para pedófilos na internet. Ele continua preso e nos próximos meses (entre março e maio de 2013), uma audiência de liberdade condicional deve ser realizada.

Hoje, fevereiro de 2013, dia que escrevo essas linhas, os ingleses lembram os 20 anos do horrendo assassinato de James Bulger e dezenas de matérias e reportagens sobre o caso podem ser lidas nos jornais da terra da Rainha. Uma delas, do períodico inglês Daily Mail, mostra uma entrevista comLaurence Lee, o advogado que defendeu Jon Venables em 1993. Segundo Laurence, desde o início, ele ficou convencido que o menino de “aparencia angelical” Jon Venables era inocente do crime. Para o advogado, Venables estava sobre a maligna influência de Robert Thompson, o qual chegou a chamar de “O Flautista de Hamelin”.

“Ele disse que estava perto do Parque Goodison com Thompson e não no Shopping. Eu acreditei nele. Ele era convincente. Mas Thompson disse a um policial que ambos estiveram no Shopping. O confrontei com esse fato e depois de um momento de silêncio ele disse: Bem, certo, nós estávamos no shopping mas nunca pegamos o menino. Ele então se levantou chorando e abraçou sua mãe.” Diz Laurence na entrevista.

O que Laurence parece não ter percebido era que ele estava frente a frente com um pequeno mentiroso e manipulador, em outras palavras, um pequeno psicopata.

Pouco depois de sua prisão em 2010, Jon Venables chamaria novamente à atenção do mundo. Veja o sinistro desenho que o menino fez semanas antes de assassinar James Bulger.



O bizarro desenho de autoria do pequeno Jon Venables mostra o que parece ser um homem esfaqueando duas outras pessoas. Esse menino é ou não perturbado ?

Especulações sobre o comportamento de Jon Venables continuam a todo vapor. Mas apesar da verdade sobre as ações que o levaram novamente a ser preso, podemos admitir que este homem, Jon Venables, sofre com uma grande pressão em cima dos seus ombros, especialmente para alguém profundamente perturbado. Aparentemente, seu amigo, Robert Thompson, parece ter se ajustado melhor à vida. De acordo com o que se sabe sobre a vida dos dois assassinos, Thompson foi sempre a figura mais“ruim”, frio e calculista. Em contraste, Venables parecia ser o que tinha uma perturbação mental mais grave. Gostava de ficar de cabeça pra baixo na escola, fingindo ser um morcego, e uivava loucamente quando professores o confrontavam. Segundo a imprensa britânica, Venables chegou a revelar sua verdadeira identidade para pessoas na rua numa clara tentativa de chamar atenção. Isso mostra que para ele, é quase que impossível viver uma vida secreta, ao contrário do seu amigo Robert Thompson. E nesse ponto, Thompson parece ser aquele tipo de psicopata mais clássico, o que se camufla na sociedade.




 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...